Na Gringa, Sobre a vida

Uma visita a Beatrix Potter e Peter Rabit

May 16, 2016

Num momento em que muito se fala sobre a ausência de mulheres nos ministérios e em como alguns veículos de comunicação tentam forçar o modelo “bela, recatada e do lar” nossa goela abaixo, é importante conhecermos tantas mulheres incríveis quanto pudermos. Beatrix Potter é um delas.

Na verdade, é bem possível que você já tenha ouvido falar dela em algum momento. Seja por causa dos livros infantis que ela escreveu ou do filme sobre sua vida que esteve nos cinemas em 2006, Miss Potter.

By Charles G.Y. King (1854-1937) - National Portrait Gallery

By Charles G.Y. King (1854-1937) – National Portrait Gallery

Beatrix nasceu em 1866 numa família muito rica e não fez nada do que seria esperado de uma moça na Inglaterra Vitoriana. Não se casou cedo, tornou-se financeiramente independente graças a seu trabalho, apresentou um trabalho científico na Linnean Society em Londres, publicou mais de 20 livros infantis e foi morar sozinha na fazenda que comprou com seu próprio dinheiro.

Quer mais?

Ela também abraçou a causa e foi pioneira na conservação do Lake District, uma das regiões mais bonitas da Inglaterra.

Lake Windermere

Beatrix aprendeu a desenhar quando criança e foi bastante estimulada pelo pai, que também gostava muito de desenho e pintura. Seus modelos preferidos eram seus animais de estimação e as paisagens da Escócia e do Lake District, onde a família costumava passar férias. Essas temporadas em meio à natureza foram fundamentais para que seu interesse por animais e plantas se tornasse cada vez maior.

Ela tornou-se uma naturalista, com especial interesse em fungos. Dedicou-se ao estudo deles durante anos, fazendo desenhos detalhadíssimos e descobrindo que a literatura sobre o tema que existia até então estava errada quanto a seu ciclo de vida. Por muito tempo correspondeu-se com o cientista escocês Charles MacIntosh sobre o assunto e chegou a escrever um estudo científico sobre o tema para ser apresentado na Linnean Society em Londres. Acontece que naquela época mulheres não podiam entrar nem no prédio da sociedade, muito menos apresentarem trabalhos científicos nas reuniões. A solução foi pedir a um conhecido que o fizesse. Em 1897 Geroge Massee, um botânico, fez as honras e apresentou o trabalho Germination of the spores of the Agaricineae. O estudo foi aceito, mas os cientistas pediram para que ela se aprofundasse mais no tema, coisa que ela nunca fez.

Um dos muitos desenhos que a autora fez durante seus estudos de micologia.

Um dos muitos desenhos que a autora fez durante seus estudos de micologia.

A razão é simples, aos 32 anos ela finalmente encontrou uma editora que se interessou pela publicação de seu primeiro livro; The Tale of Peter Rabbit. Ou, A história de Pedro Coelho. O livro foi um sucesso absoluto e assim começou seu caminho rumo à sua independência financeira, algo muito inovador no comecinho do século XX.

Durante sua carreira de escritora Beatrix Potter publicou 23 livros infantis – cerca de dois por ano. Ela tinha algumas exigências em relação ao formato dos livros: eles deveriam ser pequenos, para que pudessem ser confortavelmente segurados pelas próprias crianças e não deveriam ser caros, para que o maior número de pessoas possível pudesse comprá-los. Por isso mesmo o plano inicial para a primeira edição de Peter Rabbit era de que as ilustrações não fossem coloridas.

peter rabbit

Beatrix Potter e Norman Warne, seu editor, ficaram noivos em 1905 mas o compromisso nunca foi oficializado por não ser aprovado pelos seus pais. Eles não consideravam o pretendente à altura da filha por serem de classes sociais diferentes. Infelizmente eles não chegaram a se casar pois Warne morreu de leucemia alguns meses depois de fazer o pedido.

Pouco tempo depois, com o lucro da venda de seus livros, ela comprou a fazenda Hill Top no Lake District e se mudou para lá. Sozinha. Em 1905.

Hill top

Não só a fazenda continuou produtiva depois que ela se mudou, como ela deu início à criação de ovelhas Herdwick, uma raça nativa da região. Aos poucos foi adquirindo outras propriedades ao redor pois tinha a intenção de conservar a paisagem do Lake District ao máximo. Ela se preocupava com o impacto que o desenvolvimento da região teria não apenas na paisagem, mas também no modo de vida e aspectos culturais do local. A procura por novas propriedades e os aspectos legais da preservação de suas terras levaram Beatrix Potter a conhecer o advogado com quem se casou, William Heelis. Mais uma vez os pais não aprovaram a união, mas como dona do seu nariz que era, Potter não se importou e casou-se com ele mesmo assim. Ela e William tornaram-se parceiros do National Trust, órgão inglês que cuida da preservação de patrimônios da Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte, e como não tiveram filhos deixaram todo o patrimônio como doação para o National Trust.

Mas quer saber o mais legal?

Você pode visitar a fazenda onde ela morou! Sim, Hill Top é mantida pelo National Trust e é aberta ao público para visitação. Não é demais?

Hill TopInfelizmente  fotografias dentro da casa não são permitidas, mas tudo está mantido do jeitinho como ela deixou. Espalhados pela casa estão alguns de seus livros e é possível reconhecer diversos cômodos e objetos nas suas ilustrações!

A visita é feita com hora marcada pois há um número máximo de pessoas que podem entrar na casa de cada vez. Você determina o horário na hora em que compra o ingresso.

Como ir:

Estando em Windermere, uma das maiores cidades do Lake District e do lado oposto do lago, há duas opções para chegar até Hill Top. A primeira é de ônibus:

Já a segunda é ir de barco cruzando o lago Windermere. Não tive dúvidas, fui andando até Bowness-on-Windermere, a cidade vizinha que fica na beira do lago e peguei o barco até o outro lado. Lá a van do Mountain Goat estava me esperando e rapidinho chegamos a Hill Top.

Mountain Goat

Serviço:

O ingresso individual de adulto custa £ 11,00. Mais informações sobre a casa dela, horários de abertura, preços de ingressos para crianças e famílias é só clicar aqui.

A travessia do lago se chama Cross Lakes Experience  e o bilhete é comprado no píer de Bowness-on-Windermere no escritório do Windermere Lake Cruises, que faz a operação combinada com a van do Mountain Goat. O bilhete individual de adulto custa £ 4,80 e vale para ida e volta. Eles também oferecem bilhetes de família, mais informações do Windermere Lake Cruises aqui. Mais informações sobre o trajeto com o Mountain Goat é só procurar aqui.

Caso você prefira ir de ônibus, o 505 sai do ponto que fica junto à estação de trem de Windermere e o passe do dia todo custa £ 8,00. Mais informações sobre o trajeto e horários aqui.

Para quem tem coragem de dirigir do lado errado da rua, também conhecido com mão inglesa, há um estacionamento com parquímetro ao lado da bilheteria.

Hill Top

*O Naonde? tem um compromisso de transparência total com os leitores e informa que minha visita à casa da Beatrix Potter foi a convite do National Trust e que o transporte foi uma cortesia do Mountain Goat e Windermere Lake Cruises.

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Estela December 21, 2016 at 8:15 pm

    Ownnnnnn eu amoooooo!

  • Digaí!