Na Gringa

Inglaterra a baixo custo: Finchale Priory

September 28, 2015

Eu juro que não aguento mais ouvir gente falando sobre a cotação do dólar, de verdade. Se eu fiquei milionária da noite pro dia pra poder achar essa conversa chata? Não, infelizmente não foi o caso. Mas é que a gente está parecendo cachorro correndo atrás do rabo, sabe? Ficar reclamando não vai fazer a moeda americana baixar o preço, questão da gente aceitar pra doer menos.

Não importa a cotação do dólar, olhar uma paisagem bonita sempre é de graça!

Não importa a cotação do dólar, olhar uma paisagem bonita sempre é de graça!

Enquanto isso eu estou passando uma temporada na Inglaterra, com cada libra esterlina custando, mais ou menos, seis reais. SEIS reais. S-E-I-S reais. Tá bom pra você? Olha só como o dólar nem ficou mais tão ruim assim, hein? Tudo nessa vida é uma questão de perspectiva.

Mas se tem uma coisa que eu descobri nesse tempo em que estou aqui, é que é possível conhecer a Inglaterra a baixo custo!

Como assim?

Gente, eu juro, dá! É claro que baixo custo aqui não é a mesma coisa que baixo custo no Vietnã, estamos combinados? Países diferentes, preços diferentes, realidades diferentes, moedas diferentes, câmbio diferente… Vejamos a coisa toda com um grão de sal, ok?

Às vezes, a única recomendação que você encontra na entrada de uma atração turística é a mais sensata.

Às vezes, a única recomendação que você encontra na entrada de uma atração turística é a mais sensata.

Acontece que, como eu já disse antes, a Inglaterra também é cara para os ingleses. Chocante, não é mesmo? Mas real! E uma boa notícia para os turistas, que não precisam desembolsar muito dinheiro para procurar programas que não custem os olhos da cara e sejam bacanas; já que:

Grande parte das atrações históricas da Inglaterra são gratuitas.

Você leu direitinho, grande parte das atrações históricas da Inglaterra são gratuitas! Há exceções, como Stonehenge e as termas de Bath, mas aí você pode escolher se quer gastar seu rico dinheirinho ou não. Aqui perto de Newcastle, por exemplo, temos Finchale Priory (ou Abbey, como já encontrei escrito em outros lugares), que são ruínas lindíssimas de uma abadia construída no século XII. Depois de falar isso, eu não precisaria te dar mais nenhum motivo para querer conhecê-la, mas eu vou!

Aquela coisa de que "uma mensagem vale mais que mil palavras".

Aquela coisa de que “uma mensagem vale mais que mil palavras”.

Finchale Priory

 Lá pelos idos do século XII (sim, faz tempo!) um ex-marinheiro inglês chamado Godric, depois de muito navegar,  encontrou-se com São Cuteberto na ilha de Lindisfarne. É claro que este encontro foi apenas espitirual – naquela época S. Cuteberto já havia morrido há um bom tempo e estava enterrado na Catedral de Durham – mas foi a partir deste momento que Godric se tornou devoto do cristianismo, dedicou-se a servir a D’us e peregrinou pela região do Mediterrâneo, incluindo Israel, por mais algum tempo até retornar à Inglaterra, onde viveu por dois anos com um velho ermitão chamado Aelric. Logo depois da morte dele, Godric fez uma última peregrinação a Jerusalém antes de voltar definitivamente para seu país e pedir ao bispo de Durham a permissão para viver como eremita em Finchale, às margens do rio Wear.

Finchale Priory

A história conta que ele viveu lá durante seus últimos anos de vida, cerca de 60 anos!, e só recebia visitantes esporádicos e que houvessem sido aprovados pelo prior local. Com o passar dos anos sua reputação de homem sábio e santo foi se tornando maior e dizem que até o Papa Alexandre III às vezes o procurava para se aconselhar.

São Godric também é conhecido por sua bondade com os animais, uma história conta sobre a vez em que ele escondeu um veado de caçadores e outra sobre como ele permitia que cobras viessem perto dele para se aquecerem perto da sua fogueira.

Finchale Priory

Logo após a morte de Godric dois monges da Catedral de Durham se mudaram para Finchale, onde já havia uma igreja, um moinho e, por estar localizada às margens do rio, bastantes peixes. E, 1196 o local se tornou oficialmente uma dependência da Catedral de Durham e recebeu o nome de Finchale Priory (fala-se “Fíncôl”). Apesar de nunca ter se transformado em um Priorado rico, foi a dependência mais rica de Durham durante 1400. Finchale se manteve como Priorado até 1536, quando os monastérios menores foram dissolvidos.

Enquanto esteve ativa, Finchale serviu como um lugar aonde os monges iam para descansar por períodos de três semanas, durante as quais eles se dedicavam a cumprir seus deveres religiosos diários mas também tinham mais liberdade do que nos monastérios onde viviam.

Convencidos de que o passeio vale a pena? E se eu contar que a entrada é gratuita? Melhora mais ainda, né?

Hoje em dia as ruínas fazem parte do English Heritage, órgão que cuida de cerca de 400 dos patrimônios históricos da Inglaterra (entre eles Stonehenge). A entrada em muitos deles é gratuita, mas uma doação é sempre sugerida e bem-vinda.

Finchale Priory

Serviço:

Dá pra chegar até Finchale de carro, ônibus ou bicicleta.

A partir da estação Haymarket em Newcastle, pegue o ônibus X12 até Durham e lá troque para o 62, desça na parada Frankland Prsion e depois é só andar mais um pouquinho.

Aqui no site da English Heritage tem mais informações sobre como chegar lá e aqui os horários de funcionamento.

Finchale Priory

*São Cuteberto é o santo padroeiro da região da Nortúmbria, no nordeste da Inglaterra.

You Might Also Like

No Comments

Digaí!