Na Gringa, Pogramas

Ir à praia na Inglaterra. É possível, eu juro!

January 4, 2016

A gente que nasceu e foi criado no Brasil associa praia a certas coisas.

pastel

Praia no Brasil: pastel, céu azul e areia fofa.

– raspadinha feito com gelo de procedência duvidosa;

– queijinho de coalho;

– caipirinha;

– vendedor de canga, de chapéu, de biquíni, de pulseirinha de miçanga, de brinco de côco e do que mais você imaginar;

– carrinhos de picolé da Kibon e da Yopa (até hoje não superei o fato de que a Yopa virou Nestlé…);

– areia fofinha;

– água quente…

concha

Ir à praia e não entrar no mar é algo que jamais passaria na cabeça de um brasileiro. Pelo menos não na minha cabecinha de paulista, já que talvez do pessoal do Sul não pense assim. A gente só não entra no mar quando vai pra Ubatuba e dá o azar de pegar uma semana inteira de chuva, no inverno, aí dá pra ficar em casa e assistir um filminho no Netflix, jogar um baralho ou fazer um campeonato de mímica. Fora isso, minha gente, praia é sinônimo de castelo de areia, calorão, suor e uns caldos (*caldo é um “campineirismo” meu? É aquele momento quando uma onda forte vem e te derruba, tirando o biquíni do lugar e levando sua dignidade junto com ela, quando volta puxando).

Praia no Brasil: sol, céu azul, mar verde e caipirinha.

Praia no Brasil: sol, céu azul, mar verde e caipirinha.

Sempre achei engraçado ver paisagens de litoral em lugares de clima bem frio, aquele mar bem cinza com ondas bem fortes batendo contra rochedos, ou aquela praia escuuuura sem um vendedor de milho verde num raio de 20Km e um povo todo encapotado. Gente.de.gorro.na.praia. Pra mim, isso era uma coisa tão louca quanto seria uma pista de esqui em Fortaleza, simplesmente não combinava.

Seaham, uma praia bem perto de Newcastle.

Seaham, uma praia bem perto de Newcastle.

Aí o Josh me contou que Newcastle é bem pertinho da praia e que a gente poderia ir ao litoral enquanto eu estivesse aqui. Aí eu fui conversar com meu amigo José Eduardo, que morou uns anos na Inglaterra quando criança, e ele me contou da vez que foi à praia com sua família durante esse tempo. Depois de cerca de um ano morando em Londres, amargurando aquele clima cinza, frio e chuviscante, o pai dele chegou em casa e anunciou que passariam o próximo fim-de-semana na praia! Paulista como eu, o pequeno Zé já começou a sonhar com a areia fofinha, a água quentinha e o céu azul do Guarujá. O que o pobre não imaginava é que ele encontraria justamente o contrário do que havia imaginado. Eu só consigo imaginar a decepção dele na hora em que botou os pés na areia meio dura, viu aquele mar cinza e o céu cinza acompanhado de sua fiel garoa.

Duridge bay

Duridge bay

No primeiro fim-de-semana que passei na Inglaterra meus sogros quiseram aproveitar o verão (verão cuja temperatura máxima gira em torno dos 18ºC, que fique bem claro) e me levar pra praia junto com os cunhados. Iríamos para Bamburgh, onde há um castelo lindíssimo, e almoçaríamos os famosos fish and chips na costa, rolou até a idéia de mergulharmos no Mar do Norte mas o plano foi abortado quando soubemos o preço (cerca de £70 por cabeça). Josh e meus cunhados estavam animados pra entrar no mar, eu não me entusiasmei muito mas botei o biquíni na mala por recomendação da sogra – caso a vontade aparecesse, eu não deixaria de entrar na água por falta de roupa adequada.

duridge bay

Assim que paramos o carro na entrada da praia, que tinha areia branca e fofa por sinal, uma família vinha vindo e nos disse que havia um bebê foca na areia. Uma.foca.na.areia. Gente, vocês têm noção de que focas vivem no Polo Norte? Do frio que uma foca suporta? Uma coisa era certa, se uma foca estava de boa nadando naquele mar, aquela água era fria demais pra mim. Mas saímos todos correndo em direção ao mar e vimos a foquinha correndo pra água, a coisa mais fofa, e logo em seguida ficamos seguindo sua cabecinha que sumia e reaparecia com o movimento das ondas.

Dá pra ver a cabecinha da foca?

Dá pra ver a cabecinha da foca?

Nisso os três corajosos se aventuraram a vestir suas camisetas de neoprene e entrar no mar, eu fiquei de longe, só olhando e fotografando. Pra não dizer que não tive contato algum com as águas do Mar do Norte, criei coragem o suficiente pra molhar os pés. É claro que ninguém aguentou muito tempo e logo os três voltaram para se secar.

durige bay

duridge bay

durige

Ir à praia na Inglaterra é possível e talvez na Cornualha, que recebe influência da Corrente do Golfo, a experiência de entrar no mar seja até bem agradável. Pelo que Josh me falou, há boas ondas por lá e bastante gente passa o verão no litoral da Cornualha para surfar e aproveitar o clima mais quente. A questão é saber a qual praia ir e escolher um dia que o tempo esteja bonito, o que não é tão raro durante os meses do verão. A precaução a se tomar é que, quanto mais ao norte, mais frio estará e um casaquinho será companhia bem vinda. Caso entrar na água esteja fora de cogitação, passar um tempo na areia com um bom livro e fazendo um piquenique me parecem ótimas opções, se você der sorte é capaz até de encontrar um bebê foca!

durige bay

Comer os famosos fish and chips à beira mar também é um programa tipicamente inglês e bem bacana, o restaurante onde almoçamos estava abarrotado. Gastar um dinheirinho em um arcade (um lugar bem parecido com o nosso fliperama) jogando air hockey ou apostando nas caça-níqueis é outro programa bem inglês e típico do litoral.

Os sogros jogando air-hockey.

Os sogros jogando air-hockey.

You Might Also Like

No Comments

Digaí!