Na Gringa

O que eu vi com o Taglit – 5

August 29, 2013

Às quatro da manhã todo mundo foi obrigado a pular da cama, sem os famosos “só mais cinco minutinhos” e teve que sair caçando suas coisas no escuro enquanto esbarrava nos companheiros de viagem. Éramos um bando de zumbis sonolentos que entrou no ônibus aos trancos e barrancos sem tomar café-da-manhã – eu, boa gordinha que sou, comprei um lanchinho em Jerusalém e levei na mochila pra comer no caminho. Chegamos em Masada com o sol querendo raiar e tivemos tempo suficiente para vê-lo nascer do alto da montanha, com vista pro Mar Morto, um espetáculo.

Masadamasada

masadamasada

Masada foi um dos palácios do rei Heródes – aquele mesmo que queria matar Jesus – e funcionou também como uma fortaleza por conta de sua localização difícil de ser alcançada, bem em cima de um planalto 400 m acima do Mar Morto. A construção também abrigou os Zelotas, um grupo que se rebelou quando da destruição do segundo templo pelos romanos e correu para lá para se refugiar. Masada foi então cercada pelos romanos e quando os Zelotas se viram sem saída cometeram suicídio para evitarem a captura.

MasadaMassada

A descida por ser feita de duas maneiras: a pé, pelo Caminho da Serpente e é looongo, ou pegando e pagando um bondinho. Nós fomos pelo de graça, é claro, e mais cansativo mas valeu. Dá pra subir pelo bondinho também.

De Masada rumamos para Ein Gedi, para conhecermos um oásis de verdade e descobrirmos que não tem nada a ver com a idéia romanceada de um laguinho, uma palmeira e um camelo. Água tem, aos montes, quente que é um absurdo ainda mais em se tratando de cachoeira. Alguma vegetação também tem, mas nada daquela palmeirinha solitária, é mais rasteirinha. Do camelo nem sombra, mas tinha uma família de ortodoxos completamente vestidos e que deviam estar suando litros debaixo daquelas roupas pretas todas.

Ein GediEin Gedi

Ein GediEin Gedi

E fomos lá pro Mar Morto ver que – pasme! – há mais água no deserto, dessa vez salgada. Esse era o lugar que eu mais queria conhecer, por vários motivos: por ser o lugar mais baixo do mundo, por causa da lama que faz super bem pra pele, por causa da concentração de sal que nos impede de afundar e pela paisagem incrível.

Mar MortoMar Morto

E não podiam faltas as fotos clássicas: lendo o jornal israelense para me atualizar sobre as notícias do Oriente Médio sentada na água e todo mundo enlameado.

É impressionante ver como é alta a concentração do sal na água, dá pra ver os grãozinhos boiando e água chega a ficar até mesmo oleosa. Minha pele ficou deliciosamente macia depois de me enlamear completamente e me limpar nas águas do mar, fiquei o resto do dia passando a mão no meu braço de tão lisinho.

You Might Also Like

No Comments

Digaí!